Arquivo da categoria: estudos

Fashion Design Books

Dentro da série de posts sobre indicações de livrarias onde comprar óbvio livros de moda, não poderia deixar de indicar a Fashion Design Books. A livraria fica bem no meio do campus do Fashion Institute of Technology e tem uma variedade de material tão grande que acaba atraindo estudantes de moda/arquitetura/artesplásticas/etc de várias instituições de Nova York.

Pra quem está montando uma biblioteca de moda, a livraria tem títulos que provavelmente você nunca ouviu falar, principalmente aqueles voltados para desenho/design. O preço não é dos mais atraentes, por isso, se você não tem pressa, vale pesquisar em sites como Amazon, Barnes & Noble ou Strand Bookstore.

Caso precise do tal livro logo e não o encontre mais barato na internet, uma dica: leve-o pra casa na hora porque alguns títulos podem acabar em questão de dias, caso seja exigido por algum professor do FIT. No campus também há uma Barnes & Noble, mas eu não compro mais na loja física depois de descobrir que no site é bem mais barato.

Materiais diversos

Nem só de livros vive a Fashion Design Books. Pra falar a verdade, acho que mais da metade do que é vendido na livraria diz respeito a material de desenho e/ou costura. Tintas, telas, pinceis, lápis, aquarelas, linhas/barbantes, colas, boards, canetas, manequins, jornais e revistas de moda ou “do it yourself”, tesouras e retalhos de tecido são alguns dos produtos à venda no local.

Creio que por estar no meio do campus do FIT, a livraria não tenha os preços mais baixos. Maaaas, no quesito variedade, a Fashion Design Books é uma perdição. A loja também compra livros usados e os revende por um preço mais baixo, mas eles não são tão fáceis de encontrar por lá. Também dá para fazer compras pela internet, só não testei se entregam no Brasil.

Serviço:
Fashion Design Books
Endereço: 250 West 27th Street, New York. Tel: (212) 633-9646

Anúncios

Fashion Institute of Technology: a matrícula

O FashioNYC está muito chique e agora tem domínio próprio: www.fashionyc.com. Clica aqui que, desde o dia 26 de abril, os novos posts só entram lá!

Se você está planejando passar uma temporada em Nova York para estudar moda com quem é top no segmento, concentre suas energias em duas instituições: a Parsons New School for Design e o Fashion Institute of Technology (FIT), ambas em Manhattan. As duas são referência em escola de moda dos EUA pela infra-estrutura, corpo docente e formação de novos designers.

Da Parsons, eu já falei aqui e aqui. Agora é a vez de falar um pouco sobre como funciona o processo de matrícula no FIT (lê-se: efe-ai-ti).  O nome é uma referência ao Massachusetts Institute of Technology, ou MIT, o maior centro de estudo de tecnologia do mundo e que fica na “grande” Boston.

Primeiro, você precisa saber que o FIT é uma universidade especializada em design, moda, arte, comunicação e business. Mas dá pra estudar nela sem passar pelo complicado processo de seleção ou “vestibular” dos EUA. É aí que entra o Continuing and Professional Studies, o “setor” do FIT que oferece cursos com direito a “credit certificates”, “non-credit certificates” ou apenas non-credit courses (algo como uma disciplina ou cadeira de faculdade). O que muita gente faz é se matricular em cursos non-credit sem necessariamente estar em busca de um certificado, e esse era o meu caso. O processo de matrícula é menos burocrático, não é preciso ter vínculo com a universidade, eles não pedem qualquer documento e nem perguntam se você é fluente em inglês ou não. Também não precisa se preocupar com o tipo de visto, pois eles só pedem o número do cartão de crédito.

Se o seu objetivo é ter o certificado e se profissionalizar em alguma das áreas oferecidas, é preciso completar – em até dois anos – a lista de todos os cursos exigidos. Cada área tem a sua lista, seja Color Specialist, Image Consulting ou Fashion Styling.

Período de matrículas

O FIT acabou de abrir o período de matrículas para a temporada Summer 2010 e marcou para 10 de maio o início das matrículas da temporada Fall 2010. Matrículas abertas significam que a lista de cursos oferecidos já está consolidada, inclusive com datas de início e de término.

Se você planeja vir para Nova York daqui a um ano, por exemplo, já vale ir dando uma olhada na lista de cursos oferecidos porque ela praticamente não muda. Há opções nas diversas áresa de moda, seja criação, produção e até administração.

Mas se esse é o período em que você pretende se matricular, seja ágil. As turmas de non-credit courses do FIT geralmente têm 16 vagas e lotam rapidinho. Quanto mais famosinho – e competente – o professor, mais rápido a turma lota.

A matrícula

Eu já tinha comentado no post sobre a Parsons que eu não me conformava com o processo de matrícula do FIT: ou fax ou pessoalmente, o que complica tudo quando você está fora dos EUA e só pretende chegar às vésperas do início das aulas. Pra completar, eles adiantam que não avisam se sua matrícula foi efetivada.

O FIT diz que vai entrar em contato caso tenha alguma dúvida ou encontre algum problema na sua ficha de inscrição. Após a minha experiência, creio que eles só fazem isso com quem mora nos EUA. Explico: a minha ficha de inscrição na primeira tentativa de matrícula estava errada, e eles não ligaram nem mandaram e-mail avisando.

Como saber se está matriculado então? Se você fez tudo pessoalmente, a pessoa que te atendeu vai imprimir a sua grade de cursos. Se foi por fax, você vai ter que checar com o seu cartão de crédito para ver se o curso foi debitado. Isso pode levar de três a cinco dias, mais ou menos.

No meu caso, depois de ligar 15 dias seguidos para a operadora de cartão de crédito, resolvi ligar para o FIT. Só assim descobri que a minha matrícula não tinha sido feita porque fiz confusão ao tentar me matricular em curso que tem pré-requisito.

A lógica do pré-requisito é a mesma das universidades brasileiras, e alguns non-credit courses do FIT exigem que você tenha completado outros para cursá-los. Vou dar um exemplo: Introduction to Image Consulting tem “níveis” I, II e III. Por mais que você vá fazer os três, preencha apenas o I na ficha. Quando terminar de cursar o I, você procura o departamento de matrículas pra se registrar no II, e assim por diante.

Enfim, é preciso prestar atenção para não por o carro na frente dos bois. Cursos que têm pré-requisito não lotam tão rápido assim.

Duração e preço

A lista de opções de non-credit courses é imensa e o preço é diretamente proporcional à quantidade de horas/aula. Há cursos com duas, quatro ou seis aulas (uma por semana, geralmente). Por isso, é possível fazer um curso aleatório durante o seu mês de férias, e nem precisa se programar pra passar meses em Nova York.

O curso Introduction to Image Consulting, por exemplo, tem opção de 6 aulas (das 9h30 às 12h30) ou um imprensado de 3 aulas (das 9h30 às 16h30). Ou seja, dá pra fazer em três semanas!

Se o seu objetivo é conseguir o non-credit certificate, a história é outra porque são vááários cursos a cumprir. O período máximo é de dois anos, mas é possível completar em 9 meses, se você for bem objetivo e disciplinado.

Quanto aos preços, eles variam, mas dificilmente passam de US$ 350 por curso. Os de Introduction to Image Consulting, por exemplo, custam de US$ 290 a US$ 310. Mas há cursos bem mais baratos, como Finance for Fashionista, por US$ 140, por duas aulas de 3h.

Cursos on-line

Essa é uma boa notícia pra quem não pode passar meses em Nova York. Os cursos on-line são geralmente mais baratos que os cursos presenciais (que eles chamam de outline) e abrangem o mesmo conteúdo. Óbvio que não é a mesma coisa, principalmente nessa área de moda, onde há muita subjetividade, mas pelo que percebi, é feito no capricho e há grande preocupação da universidade com a qualidade.

Os cursos on-line seguem regras parecidas com a das aulas presenciais: eles têm hora marcada pra acontecer (todo mundo no computador ao mesmo tempo), há tarefas a cumprir na hora e outras para entregar depois.

Não são todos os cursos que têm versão online, mas o Summer 2010 tem mais opções que o Spring 2010. Pelo menos a matrícula pode ser feita online.

Dicas aleatórias

Você só pode se matricular em, no máximo, 5 non-credit courses de uma vez. A justificativa do FIT é que muita gente estava se matriculando em 3985784569567 cursos ao mesmo tempo, não dava conta da demanda e acabava abandonando na metade ou fazendo de qualquer jeito.

Diferentemente da Parsons, o FIT não manda nenhuma carteirinha ou documento de acesso ao prédio. No primeiro dia de qualquer aula, o professor vai entregar uma carteira provisória e dar as coordenadas para você adquirir a carteira oficial, com foto e tudo. Você só tem direito a essa ID se estiver matriculado em mais de 1 non-credit course.

Fique íntimo do site do FIT. Ele é complicado, os termos acadêmicos podem embaralhar as idéias, mas é só navegar bem muito por ele que você se acha.

Quer ler mais sobre estudar no FIT? Thereza Chammas, do Fashionismo, e Cami, do I am leaving today, já compartilharam a experiência delas nos respectivos blogs e ajudaram a tornar esse post possível.

Como pagar menos por livros em NYC

Comprar livros pela internet em Nova York costuma ser mais barato do que comprá-los nas livrarias. Comprar na Barnes & Noble online, por exemplo, é mais em conta do que comprar na loja física. Pra aproveitar a barganha, no entanto, é preciso ter um endereço na cidade, que pode ser o do hotel, da casa de um amigo ou do apartamento alugado para temporada.

Mesmo que você esteja passando apenas uma semana na cidade, dá para aproveitar as pechinchas porque a entrega costuma ser rápida, em torno de dois dias para NYC, e o frete é grátis para compras acima de valores pré-estabelecidos.

Quer um exemplo? O livro “IF you have to cry, go outside”, de Kelly Cutrone, custava uns US$ 18 na Barnes & Noble da Union Square. Enquanto pensava se comprava ou não, o marido consultou – ainda na loja – o preço do mesmo livro no site da Amazon e viu que custava US$ 13,44. Ok, por esse preço teria de pagar frete, mas livros de moda sobram no estoque da Amazon e faltam na minha biblioteca em formação.

.

No caso do livro “Fashion today”, de Colin McDowell, a diferença de preço foi ainda maior. Na livraria do Internacional Center of Photography ou ICP, ele custava US$ 49,99. Na consulta do marido na Amazon, o livro sairia por US$ 37,96. Depois disso, ignorei a Barnes & Noble. Enquanto escrevia o post, consultei na loja online do ICP e vi que o livro tava por US$ 39,95.

Tudo bem que nada substitui comprar um livro na livraria, folheá-lo lá mesmo, ler algumas páginas etc. Mas quando o objetivo é pechinchar, até na loja online da mesma livraria o produto pode ser mais barato.

Outro exemplo? Tinha ido à Barnes & Noble à procura do “The Teen Vogue Handbook” e não tinha encontrado o livro nas prateleiras. Dias depois, procurei por ele no site da loja e o encontrei por uns US$ 18. Como queria comprar apenas um livro e não queria pagar frete, optei pela opção pick up na loja. Entre as filiais com o livro disponível no estoque, tinha a livraria que fica a menos de 1 km de casa. No check in – ainda no site – descobri que o livro sairia por US$ 24,95 se fosse pra retirar lá no local.

Pick up store

A opção pick up store era pra ser algo muito legal, mas nem sempre é assim. De forma geral, ao escolher essa opção, alguém na livraria/loja vai procurar o seu livro/objeto no estoque e deixar ele separadinho com o seu nome no setor responsável. Aí, você vai até o local, diz que quer retirar o tal livro/objeto, paga no caixa e, pronto, ele é seu.

Só que na Barnes & Noble, o preço pick up é o preço do livro na livraria, que, como já falei no começo, é mais caro que no site. Além disso, é possível que a loja peça uns dois dias para achar o tal livro/objeto no estoque e levá-lo até o setor responsável. Enfim, não vale a pena, pelo menos no caso das lojas em que o preço pick up é mais caro do que o da loja online.

Strand Bookstore


Já falei sobre a Strand aqui, mas nunca é demais relembrar que ainda não vi livraria em Nova York onde o preço seja mais baixo que o da Strand, um sebo megalomaníaco. A loja também vende pela internet – o que é ótimo pra consultar preço e disponibilidade – e oferece a opção pick up na loja física pelo mesmo preço da loja online.

Mas é preciso ter paciência, porque eles também pedem dois dias pra localizar o livro e deixá-lo separadinho pra você. Essa opção pode ser boa caso a viagem por Nova York seja de curtíssima duração e você não tenha como objetivo passear pela livraria, só comprar um livro específico que só encontrou por lá.

O ponto de encontro da moda com a fotografia

O International Center of Photography ou ICP é um deleite para quem curte fotografia e moda. As exposições no local são temporárias e não necessariamente são com a temática moda. Mas fotografias não deixam de ser um registro da sociedade e facilmente dá para retirar delas algumas informações de moda.

As duas exposições atuais do ICP são um exemplo. A primeira delas é sobre mulheres que viviam na República Tcheca na década de 1950. O fotógrafo Miroslav Tichý usava câmeras improvisadas e mirava mulheres na rua ou nas piscinas (de biquíni e tudo!) em plena Guerra Fria.

A outra exposição é sobre Paris no início dos anos 1900. Como em muitas das fotografias há homens e mulheres, a mostra é excelente para observar as roupas e captar um monte de informação sobre o que chamamos hoje de moda vintage.

Eventos especiais

O ano de 2009 foi escolhido pelo ICP como o ano da moda na instituição e foi celebrado com um evento especial batizado de Dress Codes, em que foram realizadas uma série de palestras e exposição, além da criação de um catálogo digno de colecionador. A proposta do evento era examinar a moda e a relação dela com a arte e com outros fenômenos sociais e culturais.

Meses antes do Dress Codes, o ICP promoveu uma exposição de fotografias de Richard Avedon, que, segundo o instituto, começou a fotografar moda depois da Segunda Guerra Mundial e revolucionou a área, redefinindo suas regras.

Livraria

Visitar a livraria do ICP é tão legal quanto observar o acervo do instituto. Mais uma vez, foi o professor de Fashion Trends da Parsons quem deu a dica: lá é um ótimo lugar para encontrar livros de moda, principalmente aqueles gigantes, lindos, pesados e com papel de ótima qualidade por causa das fotografias.

Dando uma olhada pelas prateleiras, é difícil não querer levar algum livro para casa. Lá, você vai encontrar desde o livro com fotos só da estilosa boneca Blythe (US$ 19,95) até um sobre moda na época do facismo, por US$ 60. Entre os gigantes que dão vontade de ter como item de decoração, há um duplo com a coleção do Costume Institute de Kyoto e o Fashion Today, de Collin McDowell.

O acervo é incrível e não dá para falar de todos neste post, mas clica aqui para visitar a loja virtual. A dica é: estando na livraria ou navegando pelo site, não deixe de comparar o preço na Amazon.com. Os preços do ICP nem se comparam com os das livrarias brasileiras, mas a Amazon.com ainda consegue ser mais barata e entrega no Brasil.

Cursos

A relação entre o ICP e a moda não é mesmo superficial e dá até para fazer cursos de curta duração por lá. No cronograma do instituto há o “Fashion and Photography”, curso com 33 horas/aula em que o aluno aprende, em três meses, não só a fotografar para moda mas também tem a oportunidade de fazer contatos. O curso sai por US$ 620 + US$ 75 de taxas.

Quem não pode ficar três meses em Nova York pode optar pelo “Studio Fashion: Tools and Techniques” que acontece durante dois fins de semana e custa US$ 515 + US$ 75 de taxa. Segundo a descrição do curso, os alunos têm um intensivo sobre técnicas de fotografia em estúdio e trabalha conjunto com cabeleireiros, modelos e até personal stylists.

Esses são apenas dois dos trocentos cursos do ICP. Tem desde os avançados em fotografia até aqueles para quem quer aprender a lidar com fotos e WordPress. A disponibilidade dos cursos em cada temporada pode variar.

Serviço:
O International Center of Photography fica na Avenue of the Américas com a rua 43. A entrada custa US$ 15, e o acesso à livraria é independente, sem necessidade de pagar ingresso.

Fashion Trends na Parsons

O FashioNYC está muito chique e agora tem domínio próprio: www.fashionyc.com. Clica aqui que, desde o dia 26 de abril, os novos posts só entram lá!

Foto: stock.xchng

Já falei nesse post aqui que se matricular em um dos non-continuing courses da Parsons é muito fácil e dá para fazer do Brasil, por exemplo. Restava saber se as aulas seriam tão simples quanto o processo de matrícula ou se seriam uma afetação só. Adianto logo que não, e que – pelo menos neste curso – os alunos estão lá para aprender e não para “serem vistos”.

As aulas do meu curso de Fashion Trends acontecem na Parsons da 13th com a 5ª Avenida. São 12 aulas – 1 por semana – com carga horária total de 30h/aula e US$ 640 de “investimento”. Muuuuito resumidamente, dá para dizer que o curso examina os fenômenos culturais que moldam a moda.

A turma tem 16 alunos de várias nacionalidades, sendo apenas dois homens. Durante a apresentação individual, descobri que outras duas brasileiras fazem parte da turma, além de uma mexicana, duas argentinas e uma italiana.

A maioria dos alunos ou está se graduando em alguma área de moda ou já trabalha no ramo, mas também há os “curiosos”, como duas jornalistas, uma advogada e até uma da área de finanças. O professor da turma, Patrick Hughes, contou que sempre há advogadas e administradores na turma, sinal de que não precisa ser superespecialista pra acompanhar as aulas.

Eletiva

O non-continuing course é como se fosse uma disciplina eletiva na graduação brasileira, mas na Parsons o aluno não precisa ter vínculo com a universidade para assistir às aulas. Por isso, a turma é mista, com gente já formada e com pessoas que ainda estão se graduando.

A aula

No caso de Fashion Trends, a aula é explanativa e o professor – que é hipnotizante – fala sobre tudo aquilo que a gente filosofa sobre moda, mas nunca tem com quem comentar. Se todos os professores da Parsons forem como esse, vai dar vontade de fazer todos os cursos possíveis porque a bagagem dele é extensa.

A aula mais recente do curso foi sobre a história da alta costura e o surgimento dela na França. Em 2h30 de Patrick Hughes falando, você encontra as palavras corretas para entender a diferença entre “couturier” e “ dress maker” e onde o pai da alta costura, Charles Frederick Worth, entra na história. Quer ouvir um pedacinho da aula? Clica aqui porque vale a pena ouvi-lo (vai abrir o YouTube porque áudio diretamente no WordPress, só pagando).

Foto: stock.xchng

A aula sobre alta costura teve até um momentinho de minipolêmica: Hughes, que estudou aprofundadamente a história da moda e os estilistas dos EUA, disse que Chanel é supervalorizada. Ok, ele diz que a história e a produção dela devem ser respeitadas, mas que as roupas que ela fazia não tinham o melhor dos acabamentos e que muito estilista americano fazia roupas melhor que ela.

Inglês

É óbvio dizer que as aulas são todas em inglês, mas serve de consolo saber que há alunos de outros países e que você não precisa ser suuuuuuper fluente em inglês para entender o que é dito em sala de aula. Vocabulário de moda, no entanto, é imprescindível.

Mas não adianta ficar só de ouvidos atentos e achar que tá feita a sua parte porque os cursos têm trabalhos a apresentar. Isso significa falar para toda a turma e ser o centro das atenções.

Outro post que pode interessar:

Estudar na Parsons New School for Design

Livros de moda na Strand Bookstore


A Strand Bookstore é famosa em toda Nova York mas, para mim, é o sebo que fica na mesma rua da minha casa na Big Apple. Demorei duas semanas para conhecer o acervo de livros sobre moda e a quantidade de títulos é impressionante. São duas estantes do piso até o teto cheias de livros só sobre moda, além de duas bancadas.

Os títulos são bem diversos e há opções desde os blockbusters, como “A Guide to Quality, Taste and Style”, do guru de estilo Tim Gunn, até o “The New York Fashion: The Evolution of the American Style”, de Caroline Rennolds Milbank. Este último foi considerado “uma referência para a moda da América” por Harold Koda, do Costume Institute do Metropolitan Museum of Art.

Saí de lá com ele e também com “…isms: Understanding Fashion”, de Mairi Mackenzie, e “The Black Dress”, de Valerie Steele. Os três saíram por US$ 51,60, incluindo as taxas. Fiquei imaginando por quanto sairiam se os comprasse na Amazon para entregar no Brasil…

Apesar de ser conhecida como sebo, a Strand vende livros novos também e alguns deles saídos do forno direto das editoras (os meus três são 0 km). O acervo geral é imenso e, segundo a livraria são “18 miles” de livros, o que representa 28,9 km de extensão. Em unidades, são mais de 2,5 milhões de obras usadas, novas e raras. Há livros a partir de US$ 1.

Os livros de moda, infelizmente, não são os mais baratos da livraria, mesmo assim dá para sair de lá achando que se fez um bom negócio. Isso porque os preços costumam ser abaixo dos do mercado e menores do que o preço marcado ao lado do código de barras de muitos livros vendidos  por aqui.

Quem me indicou o acervo de livros de moda da Strand foi o professor de “Fashion Trends” na Parsons, Patrick Hughes. Segundo ele, os livros que eu encontrar lá não serão mais baratos em nenhuma outra livraria de Nova York. Anotado!

Curiosidades

Cena de Julie & Julia na Strand Bookstore. Os carrinhos da imagem ficam na calçada e têm livros por US$ 1

A Strand cresceu tanto que virou marca e um dos símbolos de Nova York. A livraria já serviu de locação para Julie & Julia e já apareceu como peça do guarda-roupa de Dan Humphrey, em Gossip Girl. O ex-pobrinho da série, aliás, trabalha lá no 9º livro da série.

Além de vários livros, dá pra sair da Strand com camisa, bolsas, caneta, lápis e até bloquinho (que custa praticamente o mesmo que um Moleskine pequeno, também à venda lá, cerca de US$ 8).

Fotos: gossipgirlonline.net e strandbooks.com

Serviço:
Strand Book Store
Na esquina da 12th Street com a Broadway.
De segunda a sábado, das 9h30 às 22h30; domingo, das 11h às 22h30
Fone: 212-473-1452  ou 212-473-2591 (fax)

Há também um quiosque no Central Park, entre a 60th Street e a 5th Avenue, perto do Pierre Hotel. O quiosque abre diariamente, das 10h até o anoitecer ou sempre que o tempo permite.

Parsons New School for Design

O FashioNYC está muito chique e agora tem domínio próprio: www.fashionyc.com. Clica aqui que, desde o dia 26 de abril, os novos posts só entram lá!

O processo de matrícula da Parsons New School for Design é mais fácil do que se pode imaginar. Diferentemente do Fashion Institute of Tecnology, onde quem não tem vínculo só pode se matricular por fax (fax!), na Parsons, tudo é feito online, inclusive o pagamento com cartão de crédito. Ok, no FIT pode se matricular pessoalmente, se você estiver em NYC, claro.

Para quem pretende passar uns meses estudando moda em NYC, o caminho das pedras começa clicando no “continuing education”, algo como uma mistura de curso livre com pós-graduação. Se as inscrições não estiverem abertas, haverá um aviso sobre a data em que começam as matrículas.

É tudo online mesmo! Matrículas abertas, é só clicar no curso, colocar ele no “carrinho” e finalizar a “compra”. Você pode se matricular em quantos cursos quiser ou puder pagar. O curso “Fashion Trends”, com 12 aulas, por exemplo, saiu por US$ 640 no spring 2010. Já o “Fashion, Pop Culture, and the 20th Century”, com 6 aulas, saiu por US$ 320.

A Parsons está tão acostumada a lidar com estudantes de outros países que há a orientação para “país estrangeiro” na hora de preencher o cadastro. Só precisei enrolar mesmo na hora de colocar o número de telefone, porque o campo só aceitava no padrão de telefonia americana com nove números.

Deu tudo certo!

Após a matrícula, o estudante recebe a confirmação por e-mail. Eu, ansiosa, também fui checar com a operadora do meu cartão de crédito se havia tido cobrança. Se paguei, estou matriculada.

O processo da matrícula termina quando você recebe em casa uma cartinha da Parsons. Nela, está o seu curso, o horário e um cartão de identificação que deve ser apresentado ao segurança para entrar no prédio. A cartinha demora para chegar, coisa de um mês ou mais. Então, não adianta arrancar os cabelos. No e-mail de confirmação, há um número de telefone para casos em que as aulas começam e o estudante ainda não recebeu a tal cartinha.

Em um próximo post, conto detalhes sobre a aula em um dos cursos em que me matriculei. Adianto que rola uma torre de babel na sala.

Ah! Vale acrescentar que a Parsons New School não é só escola de moda e desing. Há cursos de arquitetura, música, artes dramáticas e até de línguas, como português e English as Second Language. Entre as várias estrelas que estudaram na escola está Marlon Brando.

Outro post que pode interessar:

Curso Fashion Trends na Parsons